Outorga para abertura de um Terreiro

O artigo transcrito, autoria de Pai Mozart de Iemanjá, serve perfeitamente para a nossa reflexão e aprendizado, diante a realidade atual da Umbanda.Norberto Peixoto. 

… 

Se percebe na atualidade uma grande quantidade de iniciados no Batuque RS sedentos pelo desejo de terem suas casas de religião. Na maioria dos objetivos, a razão é para fazer o que discorda, ou o que não é permitido pela sabedoria de seu sacerdote, da atual casa, ou para ditar as suas próprias regras. No entanto uma casa de Orixá nasce de razões profundas, alicerçadas no compromisso moral, ético e espiritual. 

Não se trata de um local para atender as vontades das pessoas e nem tão pouco um palco de atrações para o personalismo e a vaidade humana, exige comprometimento com a causa teológica de religião afro gaúcha. Uma casa de santo é um lugar sagrado onde se encontra apoio e acolhida às pessoas necessitadas nos mais variados aspectos da vida de relação. Um lar para quem quer ficar, uma escola para quem quer aprender. Ela nasce em coração simples e sincero, com disposição e capacidade de agregar, somar e de partilhar. 

São esses os dons que outorgam o nascimento de uma casa de Batuque RS. São valores que não se aprendem em cursos, que não são comprados ou adquiridos por graus parentescos e “ritos mágicos”. São valores forjados pela dedicação, pelo discernimento e disciplina que no decorrer no tempo são adquiridos. A hierarquia e a ética moral do Pai ou Mãe de santo, que desenvolve e educa o filho de fé, saberão indicar o momento de construir uma casa, quando a formação se completa. 

A autorização parte dos Orixás primeiramente e não das pessoas. Quando a concepção é sagrada entre a espiritualidade e um coração humilde, vibra no “ori” do iniciado que a partir de então não teme dificuldades, pelas próprias limitações ou ingratidões. Há objetivo, determinação e realização. O resultado se apura no decorrer dos anos. Os trabalhos crescem, se desenvolvem e se multiplicam. O axé se consolida e a identidade da casa se constrói junto com sua história. É como uma semente que possui o dom dos frutos, mas terá que trabalhar em sua formação até se transformar em uma árvore…asé.
Artigo de Pai Mozart de Iemanjá

https://www.facebook.com/paimozart.deiemanja

OPINIÃO DE NORBERTO PEIXOTO.

Este artigo serve perfeitamente para a realidade atual da Umbanda. Não conheço pessoalmente o Pai Mozart de Iemanjá, mas admiro-o com respeito. É um sacerdote sério, maduro e de profunda ética com o Sagrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *