O poema de um Preto Velho

poema de um Preto Velho

Preto velho
Sou Preto
Negro como a noite sem estrelas
Sou velho como as vidas dos meus irmãos.
Mas se sou ainda negro, é por que trago em mim as marcas do tempo, as marcas de cristo.
Essas são as estrelas de minha vida.
Sou negro.
Mas a brancura do linho que estampa a simplicidade do meu Olhar, que tenta ver apenas o lado bonito da vida.
Sou velho sim.
Mas é na experiência da vida que se adquire verdadeira sabedoria, aquela que vem do alto.
Sou velho.
Velho no falar, velho da mensagem, velho nas tentativas de acertar.
A minha força, eu construi na vida, na dor, no sofrimento.
Não no sofrimento como alguns entendem, mas naquele decorrente das lutas, das dificuldades do caminho, da força empreendida na subida.
A força da vida se estrutura nas vivências.
É à medida que construímos nossa experiência que essa força se apodera de nós, nos envolve e nós então nos saturamos dela.
É a força e a coragem de ser você mesmo, de não se acovardar diante das lutas e continuar tentando.Sou forte.
Mas quando me deixo encher de pretensões, então eu descubro que sou fraco.
Quando aprendo a sair de mim mesmo, e ir em direção ao próximo, aí eu sei que me fortaleço.
Eu sou preto, sou velho, sou humano.
Mas sou humano sem corpo.
Sou como você, sou espírito.
Sou errante, aprendiz de mim mesmo.
Na estrada da vida, aprendi que até hoje é possivelmente para sempre serei apenas o aprendiz da vida, Sou andarilho.
Pelas estradas da vida, eu corro, eu ando.
Tudo isso para entender que, como você, eu sou um cidadão do universo, viajador do mundo.
Sou semeador da paz.
Sou preto, sou velho, sou espírito.
Sou eu, Pai João de Aruanda!!

Os Arcanjos Celestes

Arcanjos Celestes

São seres importantíssimos na criação, pois uma das suas funções é manter o equilíbrio e a harmonia no meio onde atuam. Os anjos são, por assim dizer, auxiliares dos arcanjos. Isto não significa que são menos importantes, principalmente quando falamos dos Anjos de Guarda que possuem a desgastante missão de nos conscientizar e nos manter em equilíbrio, em harmonia conosco, com o meio e com o Universo, guardando-nos e protegendo-nos de possíveis ataques espirituais de ordem negativa. Como o nosso anjo nos acompanha diariamente, inclusive nos nossos trabalhos espirituais, muitas vezes “enfraquece-se” devido ao desgaste progressivo das suas vibrações. Assim o nosso anjo precisa de energia para estar firme conosco, no nosso plano, pois para que ele se conecte conosco é necessário, da sua parte, um rebaixamento das suas vibrações. Muitas vezes isso não é possível, pois o nosso campo magnético e energético está fraco, negativado ou denso, o que nos afasta dessa importante força de auxílio. Saiba que não é o nosso anjo que se afasta de nós, mas somos nós que nos afastamos do nosso anjo. Quando isso acontece, o nosso anjo precisa de uma “dose” extra de energia que precisa “buscar” no nosso plano material, por ser mais efetiva devido à nossa densidade vibratória. Por isso é comum uma pessoa ir a uma gira de Umbanda e os Guias mandarem firmar uma vela para o seu Anjo da Guarda, ou seja, supri-lo de energia necessária para ele que possa auxiliar-nos melhor. Segundo ensinamentos dos Guias de Umbanda, essa força é tão importante quanto às dos Orixás, visto que a sua vibração, tal como a dos nossos Orixás, se faz presente constantemente na nossa vida.

Parentes desencarnados em visita aos entes encarnados

Quando um Espírito, já harmonizado na vida espiritual, recebe uma autorização superior para nos visitar na Terra, naturalmente, não trará qualquer malefício aos encarnados. Sua presença carinhosa poderá apenas despertar “lembranças” nos familiares mais sensíveis que poderão sentir-lhe a presença.

Mas a questão é que muitos dos nossos entes queridos, após desencarnarem, não se desvinculam do ambiente doméstico, podendo afetar negativamente aqueles que permanecem na experiência física.

Há no Movimento Espírita um fato muito interessante, que comprova essa afirmação. Um dos nossos mais queridos oradores, o conhecido médium e tribuno baiano Divaldo Franco, na adolescência, após a morte de um irmão biológico, foi tomado por uma repentina paralisia nas pernas. Durante seis meses, recebeu toda a assistência médica sem qualquer resultado positivo. Os médicos não conseguiam sequer diagnosticar o que exatamente ocorria com o jovem, já que não encontravam quaisquer problemas no campo orgânico. Até que um prima de Divaldo decidiu recorrer a uma senhora espírita que, prontamente, atendeu ao pedido. A experiente trabalhadora do Cristo estendeu as mãos sobre o rapaz acamado, aplicando-lhe o “passe magnético”, enquanto orava ao Senhor da Vida. Através da mediunidade, percebeu também a presença do irmão desencarnado de Divaldo que, inconscientemente, se lhe vinculara magneticamente, tirando-lhe o movimento das pernas.

Imediatamente após o passe e o afastamento do Espírito enfermo, a senhora gentilmente informou o que estava acontecendo, pedindo ao jovem que se levantasse e andasse, o que, para surpresa de todos, ocorreu com desenvoltura. Divaldo Franco, na época, ainda não era espírita, mas já possuía uma acentuada sensibilidade mediúnica. Após o ocorrido, foi conduzido pela família a uma Casa Espírita, onde iniciou seus estudos doutrinários e seu ministério de amor. E até hoje, aos 85 anos, prossegue viajando pelo mundo, já tendo visitado mais de 60 países, divulgando as diretrizes seguras e abençoadas do Espiritismo.

Como se vê, muitos desencarnados não são conduzidos imediatamente às colônias espirituais; ficam apegados aos plano físico, podendo gerar “obsessões inconscientes”, desconfortos e até desequilíbrios orgânicos, pela lei de sintonia.

A terapêutica da oração, do passe e, principalmente, a renovação do campo mental e emocional do encarnado, através de leituras e palestras edificantes, são recursos preciosos para que os vínculos energéticos sejam retirados e o equilíbrio psicofísico retorne à pessoa espiritualmente afetada.

Aproveitando o ensejo da pergunta, é importante informar, de forma mais generalizada, que somente pode haver um real processo de desobsessão ou libertação espiritual, quando o obsediado (quem sofre a influência) suplantar o obsessor (quem influencia) com sua vibração pessoal, que deve ser alcançada principalmente através da transformação moral e comportamental, proposta pelo Evangelho do Cristo.

Esperando der oferecido algumas singelas “sementes” para reflexão sobre esse tema tão significativo, envio meu fraterno abraço aos queridos leitores, com votos de muita paz em Jesus.

Rossano Sobrinho
Fonte: Portal espera feliz

Casamento na Umbanda tem efeito civil?

casamento na umbanda

Casamento na Umbanda

Neste sábado (23/01) aconteceu no Instituto Cultural Aruanda o primeiro casamento religioso com efeito civil umbandista da cidade de Bauru.
Pelo o que indica o site Link Recôncavo, um casamento com essa representação já havia sido feito na cidade de Governador Mangabeira, no Recôncavo Baiano, em 2009. Na internet o que consegue-se achar de evidências de uma celebração com marco civil umbandista é apenas essa.
Como religião, a umbanda não só pode, como deve ter o direito de realizar o casamento de seus filhos, que também são filhos desse chão, e assim, ter o devido reconhecimento como acontece em outras confissões.
Pensando nisso, é estranho então que a religião que tem mais de cem anos de história só tenha divulgado uma cerimônia matrimonial com validade civil. Esse é mais um dos motivos para disseminar e se empoderar desse direito conquistado como muita luta e enfrentamento.

O CASAMENTO PARA O UMBANDISTA

Na Umbanda segundo o livro, Manual Doutrinário Ritualístico e Comportamental Umbandista, o casamento significa o elemento humano vital, que tudo cria e gera. É a fusão de duas almas que se amam e que irão unir forças para constituir uma família.
A família sendo o cerne do homem, é de onde ele vai extrair seus primeiros conceitos sobre ética, moral, religiosidade e fé. É no acolhimento da família também que é formado o caráter e a personalidade da pessoa.
No casamento se assumi um compromisso com o espiritual, onde há entrega de dois para se tornar um, mediante a luz do Divino Criador.
Assista abaixo como foi o casamento:
https://www.youtube.com/watch?v=kgEcFHrKkhc
Texto e vídeo: Júlia Pereira
Foto: Thelma e Vitor Seabra

O que é mironga de preto velho?

mironga de preto velho

A mironga de preto velho

é magia branca nas suas mais variadas aplicações cósmicas com a finalidade de cura. É conhecimento milenar dos velhos magos de outrora, iniciados e sacerdotes das coisas místicas e ocultas de todos os tempos, que aplicam a alquimia astral para mudança dos estados de energia nos mais diversos planos, dimensões e densidades de manifestação da vida e do espírito imortal, com a finalidade única de caridade socorrista, trazendo alento e conforto aos sofredores de todas as espécies. A mironga é feita sem alarde, com humildade e serventia ao próximo, pelo amor aos filhos da Terra e do Além que perambulam inconscientes.

Tornou-se de senso comum entre os filhos, que aquilo que cura e não se sabe o que ou quem fez, se alardeia como sendo mironga de preto(a) velho(a), mas é só uma maneira de denominar-se a nossa característica de trabalho, que é de anonimato. Só se “fala” e se transmite o que foi feito quando o ser precisa refletir no mal que o aflige e mudar a sua postura mental.

Para fazermos mironga, utilizamos as energias elementais dos quatro elementos: terra, ar, fogo e água e dos espíritos da natureza: duendes, silfos, salamandras e ondinas, ligados a esses sítios vibracionais, e que lhes são afins, e os mais variados catalisadores, junto com aparelhos encarnados para agirmos no plano Terra, material.

Vovó Maria Conga

Exu e sete pombas-gira na comissão de frente do Salgueiro

A comissão de frente do Salgueiro homenageia o “povo da rua”. Sete homens virão de zé pilintras, e sete mulheres serão pombas-gira. O elemento principal é exu. Uma das surpresas é a saia das damas da noite, onde serão projetadas diversas imagens, num efeito que lembra o manto usado ano passado.

Confira o enredo desse ano:

A mulher pode tocar atabaque?

mulher pode tocar atabaque

Mulheres também podem ser atabaqueiras e curimbeiras, SIM! O “cargo” de ogã vem do candomblé e apenas é dado a pessoas do sexo masculino. A mulher no Candomblé não toca atabaque, por alguns dogmas da religião, principalmente em relação à menstruação. Na Umbanda não importa os dogmas e conceitos do candomblé, mas sim seguir os próprios fundamentos, passados diretamente pelos nossos guias e mentores. Nunca vimos um caboclo ou preto velho proibindo mulher de tocar atabaque, por isso afirmamos, na Umbanda mulher toca e canta sim e, diga-se de passagem, muitas vezes melhor do que os próprios homens.

Por Sabedoria de Preto Velho

Os três obsessores

três obcessores

Um homem chegou a um centro espírita muito desconfiado de que estava com vários obsessores. Ele contou sua história para o médium do centro. Revelou sua crença de que os obsessores haviam convencido sua esposa a terminar com ele. Revelou que os obsessores estavam travando sua vida e que ele não conseguia mais seguir em frente pois estava sentindo muito medo. Revelou também que não queria mudar, pois sua vida estava confortável do jeito que estava, e que os obsessores estavam fazendo de tudo para desestabiliza-lo.

O médium resolveu iniciar os trabalhos. Fechou os olhos e ficou alguns minutos concentrado para fazer a desobsessão. Depois abriu os olhos, olhou para o homem e disse:

– De fato, há três obsessores com você, mas eles são muito poderosos e não posso tira-los.

O homem ficou com medo e pensou que estava arruinado, pois se nem o médium conseguia tira-los, sua vida seria arrasada pelos espíritos negativos. “Quem são esses obsessores?” perguntou o homem. O médium respondeu:

– São três os seus obsessores:

– O primeiro obsessor é o apego. Sim, o apego que você tem em relação a sua esposa. Ela já terminou com você e mesmo assim você fica insistindo num casamento que já deu claros sinais de término. O apego é um grande obsessor, um dos maiores dos seres humanos.

– O segundo obsessor é o medo. Esse é um obsessor fortíssimo, pois paralisa nossa vida e não nos deixa caminhar. É outro grande obsessor do ser humano.

– O terceiro obsessor que está em você é a acomodação. Sim, a acomodação vem da preguiça ou de uma fuga dos problemas, e a acomodação nos faz estagnar, parar e até mesmo morrer por dentro. Uma pessoa acomodada costuma abdicar de suas forças para lutar e fica presa dentro do próprio conformismo que criou.

– Esses são os seus três obsessores. Eles não são espíritos e não havia nenhum desencarnado com você. Esses e outros obsessores vivem no coração do ser humano, e somente ele pode dissolve-los para sempre. Se vier algum espírito sombrio, ele só poderá agir em você ativando alguns desses obsessores internos. Por isso que eu disse que nada posso fazer para remove-los, pois somente você é capaz de gerar essa transformação em ti mesmo.

Quais são seus maiores obsessores? Não importa quais sejam. Você pode vence-los através da libertação e do despertar espiritual.

Autor: Hugo Lapa

A postura do médium nas sessões de caridade

sessões de caridade

Abrir os trabalhos de caridade é “destrancar” nosso templo interior de medos, recalques e preconceitos para sermos “ocupados” pelos Guias Espirituais. Todos participando de um mesmo ideal – doação ao próximo -, somente com a calma interior, abstraindo-se dos pensamentos intrusos que preenchem a mente com as preocupações ligadas às inseguranças diárias da sobrevivência da matéria, esvaziando o psiquismo periférico sintonizado aos sentidos ordinários do corpo físico, indo ao encontro do verdadeiro Eu Interno, a essência espiritual imorredoura e atemporal que anima cada um de nós, em silêncio e serenados, conseguiremos ser instrumentos úteis de trabalho aos nossos mentores, enviados dos Orixás.
Por mais que tenhamos elementos de ritos, defumação, atabaques, folhas, cheiros e sons, que nos dão as percepções que nos estimulam por meio de símbolos, que podem ser visuais, sonoros ou estar em palavras faladas e alegorias litúrgicas, é somente por meio da elevação psíquica interna de cada membro da corrente mediúnica que poderemos chegar ao padrão vibratório coletivo necessário ao alinhamento com as falanges espirituais que nos envolvem de maneira consciente, efetiva e amorosa.
A criação da verdadeira egrégora coletiva se dará na medida que todos os membros de uma corrente estejam conscientes de que tudo acontece no plano sutil, oculto as nossas percepções sensórias ordinárias, não sendo um simples formalismo ritualístico, repetitivo e enfadonho para podermos começar uma sessão.
Infelizmente, muitas vezes certos médiuns e assistentes estão desconcentrados, olhando para os lados, absortos, entediados, atentos ao relógio, com os semblantes pesados, cheios de preocupações e, não por um acaso, ao final dos trabalhos, não estão bem com algum espírito sofredor “colado” em suas auras, pois afim atrai o afim, carecendo esses médiuns de atendimento e dedicação dos demais membros da corrente.

– livro INICIANDO NA UMBANDA
http://livrariadotriangulo.com/

Benzedura contra quebranto

Benzedura contra quebranto

Quando uma pessoa anda deprimida, mole ou cansada, diz-se que, lhe deitaram mau olhado. O mau olhado ou o quebranto, ambos muito parecidos, atingem pessoas, animais ou coisas, facilmente.
Pegar um copo com água, um galho de arruda, molhar o galho e ir benzendo, ao final; colocar o galho dentro do copo, se afundar, estava cheio de quebranto ir ao portão da rua, vira-se de costas e joga por cima dos ombros de quem se está benzendo, isso com a pessoa de costa para rua.

Obs.: Enquanto está benzendo dizer:

“Mal do ar, mal do mar, mal do fogo, mal da lua, mal das estrelas, mal do ponto do meio dia, mal do ponto da meia noite. Se tiveres co quebranto, mal olhado, feitiçaria e bruxaria, em nome de Deus e da Virgem Maria, seja levado paras ondas do mar sagrado, onde não canta o galo nem a galinha e nem tem criancinha chorando e nem cristão batizado. Depois rezar um Pai Nosso e uma Ave Maria.”

Atenção: Pode-se também realizar com um copo com água, uma tesoura de aço e brasa de fogão. Após ter realizado a ladainha, colocar a brasa dentro do copo com água. Despachar, também na rua.

Fonte:Retirado:http://www.tucabocloubirajara.com/