O Sacerdote de Umbanda e o Sacerdócio Umbandista

Dia das almas

*Rubens Saraceni *

Observando a forma como surgem os centros de Umbanda e conversando com
muitas pessoas que dirigem seus centros, cheguei a algumas conclusões aqui
expostas e que, espero, não despertem reações negativas mas sim levem todos
à reflexão. Só isto é o que desejo, e nada mais.

Todos os dirigentes com os quais conversei foram unânimes em vários pontos:

a) foram solicitados pelos seus guias espirituais para que abrissem suas
casas.

b) todos relutaram em assumir responsabilidade tão grande.

c) todos, de início, se sentiam inseguros e não se achavam preparados para
tanto.

d) todos só assumiram missão tão espinhosa após seus guias afiançarem-lhes
que tinham essa missão e que teriam todo o apoio do astral para levá-la
adiante e ajudarem muitas pessoas.

e) todos sentiam então que lhes faltava uma preparação adequada para poderem
fazer um bom trabalho como dirigente espiritual.

f) todos confiavam nos seus guias espirituais e no magnífico trabalho que
eles realizavam em benefício das pessoas.

g) todos, sem exceção, só levaram adiante tal missão, porque acreditaram nos
seus guias.

h) todos se sentem gratos aos seus guias por tê-los instruído quando pouco
ou quase nada sabiam sobre tantas coisas que compõem o exercício da
mediunidade e sobre sua missão de dirigir uma tenda de Umbanda.

i) mas todos ainda acham que há algo a ser aprendido e acrescentado ao seu
trabalho, mesmo já tendo muitos anos de atividade como dirigente e de já
haver formado médiuns que hoje também já montaram e dirigem suas próprias
casas.

j) e todos acreditam que sempre é tempo de aprenderem um pouco mais e não
têm vergonha de ouvir o que outros dirigentes têm a dizer.

*Bem, só com essas observações acima já temos um retrato fiel dos dirigentes
umbandistas, e posso afirmar com convicção algumas conclusões a que cheguei:

a) na Umbanda o sacerdócio é uma missão.

b) o sacerdote de Umbanda (a pessoa que deve dirigir um centro e comandar os
trabalhos espirituais) não é feito por ninguém; ele já traz desde seu
nascimento essa missão.

c) o sacerdote de Umbanda invariavelmente é escolhido pela espiritualidade.

d) só consegue dirigir uma tenda quem traz essa missão pois esta também é
dos guias espirituais.

e) mesmo não se sentindo preparado para tão digno trabalho, no entanto, a
maioria crê nos seus guias e leva adiante sua incumbência.

f) mesmo não sabendo muito sobre como dirigir uma tenda os guias suprem essa
nossa deficiência e vão nos ensinando coisas muito práticas que, com o
passar dos anos, se tornam um riquíssimo aprendizado.

g) todos gostariam de se preparar melhor para o exercício sacerdotal, ainda
que já sejam ótimos dirigentes espirituais.

h) todos lêem muito sobre a Umbanda e procuram nas leituras informações que
os auxiliem no seu sacerdócio.

i) muitos fazem vários cursos holísticos para expandirem seus horizontes e a
compreensão do que lhe foi reservado pela espiritualidade.

j) todos gostariam de ter alguém (uma escola, uma federação, uma pessoa) que
pudesse responder certas dúvidas que vão surgindo no decorrer do exercício
da sua missão.

Bem, o que deduzi é que ninguém faz um dirigente espiritual porque só o é ou
só o será quem receber essa missão dos seus guias espirituais.

Mas, se assim é na Umbanda, no entanto o exercício do sacerdócio pode ser
organizado, graduado e direcionado por uma “escola”, e isto facilita muito
porque traz confiança e orientações fundamentais ao dirigente espiritual.

Devíamos ter na Umbanda mais escolas preparatórias tradicionais que
auxiliassem as pessoas que trazem essa missão, tornando mais fácil as coisas
para elas.

E, lamentavelmente, além de só termos alguns cursos voltados para esse
campo, ainda assim quem ousou montá-los é injustamente acusado de charlatão,
embusteiro, aproveitador e outros termos pejorativos.

Eu mesmo, só porque montei um “colégio” sob orientação espiritual e só
porque psicografei algumas dezenas de livros de Umbanda (muitos ainda não
publicados) já sofri todo tipo de discriminação, de calúnia, de ofensas e de
acusações que espero que cessem, pois os umbandistas acabarão por entender
que todas as religiões têm escolas preparatórias dos seus sacerdotes.

Só assim, com todos aprendendo as mesmas diretrizes e doutrina umbandista, a
nossa religião conseguirá organizar-se e expurgar do seu meio os
espertalhões que têm feito coisas condenáveis e cujos atos têm refletido
negativamente sobre o trabalho sério de todos os verdadeiros umbandistas.

*O texto acima faz parte do livro Tratado Geral de Umbanda / Rubens Saraceni
/ Ed. Madras e foi publicado na edição de Julho do Jornal de Umbanda Sagrada

O que é a Agua Benta?

Esse artigo do Douglas Rainho é bem interessante e explica miniciosamente como funciona a Água Benta.

O maior clássico do benzimento ao lado da arruda atrás da orelha é com certeza a água benta. Os princípios por trás dela já são conhecidos dos estudos espiritualistas, através do magnetismo a água é imantada com uma energia programada para determinado fim, ou como dizem os irmãos espíritas ela é fluidificada.

Aprenda a fazer a sua, não é preciso ser sacerdote, basta ter, assim como em todo benzimento, amor e dedicação. A água benta pode ser usada para diversos fins: dar a um enfermo como auxiliar em seu tratamento, para ser usada para cozinhar alimentos, para tomar banho, para lavar os olhos quando se tem problemas de visão, para dar a crianças que vivem com ‘quebranto’, entre uma infinidade de coisas.

O que você irá precisar:

  • Um copo ou jarro de vidro, cristal, pedra, etc. Só evite o plástico.
  • Água mineral de preferência, na falta use água da torneira.

Coloque a água no recipiente (copo ou jarro) e então com a mão dominante (direita para destros, esquerda para canhotos), faça o sinal da cruz em você, evocando as forças de Deus, de um protetor e de seu anjo guardião, mais ou menos assim:

“Em nome de DEUS, em nome de Jesus, com a permissão de meu sagrado anjo de guarda, eu evoco as forças de Jesus, e peço que para ser instrumento para o benzimento desta água.”

Assim que terminar de se cruzar, imponha a mão sobre a água ou faça sinais da cruz acima dela repetindo:

“Em nome de Deus, de Jesus eu peço para que essa água seja cruzada, purificada, abençoada e seja bálsamo para mim e para todos que dela utilizarem. Que ela seja cristalina e pura, e que possa purificar, me auxiliar, limpar, curar e melhorar quem dela se utilizar, para seu maior benefício. Amém.”

Reze 1 Pai-Nosso e 1 Ave-Maria

Terminou, volte a se cruzar e agradecer as forças evocadas:

“Agradeço a Deus, a Jesus e a meu Anjo Guardião, por benzerem e cruzarem essa água. Amém”

Pronto! Você acabou de benzer sua água na força de Jesus.
Pode substituir a força de Jesus por aquela que mais se identificar, eu geralmente o faço nas forças de Oxum, por motivos óbvios.

Leia mais artigos interessantes em Perdido e Pensamentos

Saiba mais sobre Ossãe

É fundamental sua importância, porque detém o reino e poder das plantas e folhas, imprescindíveis nos rituais e obrigações de cabeça e assentamento de todos os Orixás através dos banhos feitos de ervas. Como as folhas estão relacionadas com a cura, Ossãe também está vinculado à medicina, por guardar escondida na sua floresta a magia da cura para todas as doenças dos homens, contida nas virtudes de todas as folhas. A cura é invocada no caso de doença, com o auxílio de Obaluaiê.Divindade Masculina, do ar livre, que governa toda a floresta, juntamente com Oxossi, dono do mistério das folhas e seu emprego medicinal ou sua utilização mágica. Dono do axé (força poder ,fundamento , vitalidade e segurança ) existentes nas folhas e nas ervas , ele não se aventura nos locais onde o homem cultivou a terra e construiu casas evitando os lugares onde a mão do homem poluiu a natureza com o seu domínio .

É bastante cultuado no Brasil, sendo conhecido por diversos nomes, Ossonhe, Ossãe e Ossanha, a forma mais popular. Por causa do som final da palavra, é freqüentemente confundido com uma figura feminina.

É o Orixá da cor verde, do contato mais íntimo e misterioso com a natureza. Seu domínio estende-se ao reino vegetal, às plantas, mais especificamente às folhas, onde corre o sumo. Por tradição, não são consideradas adequadas pelo Candomblé mais conservador, as folhas cultivadas em jardins ou estufas, mas as das plantas selvagens, que crescem livremente sem a intervenção do homem. Não é um Orixá da civilização no sentido do desenvolvimento da agricultura, sendo como Oxossi, uma figura que encontra suas origens na pré-história.

As áreas consagradas a Ossãe nos grandes Candomblés, não são jardins cultivados de maneira tradicional, mas sim os pequenos recantos, onde só os sacerdotes (mão de ofá) podem entrar, nos quais as plantas crescem da maneira mais selvagem possível. Graças a esse domínio, Ossãe é figura de extrema significação, pois praticamente todos os rituais importantes utilizam de uma maneira ou de outra, o sangue escuro que vem dos vegetais, seja em forma de folhas ou infusões para uso externo ou de bebida ritualística.

A diferença entre seu anjo da guarda e seus mentores

Muita gente me pergunta isso e então no artigo desde mês resolvi explicar um pouco mais a respeito sobre os diferentes papeis que o anjo da guarda e os mentores têm em nossas vidas. A primeira diferença básica é que um anjo nunca foi humano, nunca encarnou na terra enquanto os mentores geralmente já viveram como humanos e na maioria das vezes já viveram com a gente, já foram alguém importante em nosso passado.Os anjos são seres divinos que servem a nós e fazem a nossa ligação com os reinos ou sintonias mais altas. Existem muitas categorias de anjos, e a mais próxima de nós são os anjos e em segundo lugar os arcanjos. Dentro da categoria de anjos está o nosso anjo da guarda que é um ser que é designado a nos acompanhar desde o momento do nosso nascimento até o momento da nossa morte. Este anjo pode ser visto por algumas pessoas como dois em vez de um, isso porque existe o aspecto masculino e feminino dele. Eles não têm sexo e se apresentam a nós conforme nossa imagem interior que guardamos deles desde crianças. Algumas pessoas os veem com asas e outras sem, justamente por isso. O papel principal do nosso anjo da guarda em nossa vida é facilitar tudo para nós, e eles funcionam com a gente de uma maneira muito especial, só nos ajudam quando pedimos, pois respeitam em absoluto nosso livre arbítrio. Se pedirmos eles ajudam com certeza desde que o pedido não prejudique a nós e aos outros.

Já os nossos mentores estão ligados a nós com o objetivo de nos conduzirem e nos lembrarem no que se refere a nossa missão principal nesta vida. Temos uma missão principal e eles nos ajudam a lembrarmos dela assim como ajudam também na facilitação desta missão. Se alguém se desvia da missão, por exemplo, é comum eles nos intuírem e então a pessoa frequentemente sente uma sensação de que algo não vai bem, que falta algo, ou seja eles fazem a gente parar para olhar, para pensar a respeito e dessa maneira vão nos conduzindo.

Uma pessoa pode ter um ou vários mentores, depende do que ela precisa realizar. Os mentores não ficam com a gente o tempo todo como os anjos. Alguns só se aproximam em momentos específicos de nossas vidas. Outra diferença básica é que um mentor é especialista em nos auxiliar em algo específico, portanto ele não pode geralmente nos auxiliar em outras questões, até porque o conhecimento de um mentor geralmente está relacionado àquilo que ele sabe. Não necessariamente um mentor que já terminou seu ciclo evolutivo aqui na terra, que é em torno de 600 vidas, mas ele com certeza é mais experiente que a gente num determinado quesito, assim ele tem condições de nos orientar através da intuição, etc. Pode ser que em uma próxima vida um mentor de agora venha a ser novamente um companheiro de jornada.

Você pode e deve pedir auxilio de seus amigos espirituais. É necessário somente ter em mente uma regra básica: Antes de chamar para perto de si os seus mentores, chame sempre o seu anjo da guarda para te proteger. Assim você não corre o risco de ser enganado por seres que podem se passar por seus mentores. Em meu livro eu falo bastante sobre estes cuidados e em breve escreverei mais sobre este assunto aqui também.

Para contatar o seu anjo e seu mentor é preciso treinar. Eu recomendo que comece fazendo isso todos os dias por aproximadamente 5 minutos sempre no mesmo horário. É bem simples! Feche os olhos, silencie a mente um pouquinho através da respiração e então basta pensar no seu anjo da guarda. Em seguida peça ao seu anjo para ele deixar o seu mentor ou mentora se aproximar. Então você neste primeiro momento somente observe o que sente. Aproveite então toda a energia que vão te oferecer. Com o tempo aprenderá a reconhecer os sinais da aproximação deles e aos poucos poderá aprender a se comunicar com eles. Este foi o primeiro passo!

O feiticeiro Exú Marabô Toquinho

Exú Marabô

Se trata de uma entidade que quando vida teve, viveu com o titulo de Feiticeiro Sr. da Tribo em uma época medieval, mais antiga que a própria antiguidade. Muitos pesquisadores relata que pode ser encontrado parte da Biografia dessa entidade até hoje no Norte da Rovaniemi “Norte da Finlândia” – Onde esta localizada a mata gelada. Foi um Feiticeiro Bruxo que carregava seus conhecimentos da Magia e Bruxaria em suas 7 cabaças. Sendo aprendiz de Bruxos e de Feiticeiros D’rumas. sendo pelos seus ritos e feitos, por derrubar uma manada de Búfalos que todos da tribo os temia assim como o Rei também. Marabô com seu poder foi capaz de salvar a tribo de uma manada de Búfalos os desafiando sozinho. Recebeu do Rei da Tribo o nome de Feiticeiro Sr. da Tribo e passou a ser chamado por todos de Marabô Toquinho por ser ágil, consciente, astucioso, alto e extremamente forte.

Mas carrega o nome de Toquinho por ser Alto e ter 2 Metros e 50 Centímetros de Altura “E só incorpora em médiuns de 1,75 Altura para baixo”. Um homem, com postura fina, elegante e um bom apreciador de conhecimentos, boas bebidas como Vinhos, Whisks, Marafos e outros. Utiliza uma Capa de Veludo preto como de um conde. Conseguiu transpassar a barreira do tempo de sua própria existência através da prática da Magia e hoje incorpora em um médium para dar consultas e resolver problemas espirituais utilizando o seu conhecimento milenar, sua magia e seu poder de Exú através de seu ponto Cabalístico e sua Bruxaria.